Resenha: A Guerra que Salvou a Minha Vida, de Kimberly Brubaker Bradley

A GUERRA QUE SALVOU A MINHA VIDA
Autora: Kimberly Bradley
Editora: Darkside Books
Páginas: 234

Sinopse: Ada tem dez anos (ao menos é o que ela acha). A menina nunca saiu de casa, para não envergonhar a mãe na frente dos outros. Da janela, vê o irmão brincar, correr, pular – coisas que qualquer criança sabe fazer. Qualquer criança que não tenha nascido com um “pé torto” como o seu. Trancada num apartamento, Ada cuida da casa e do irmão sozinha, além de ter que escapar dos maus-tratos diários que sofre da mãe. Ainda bem que há uma guerra se aproximando. Os possíveis bombardeios de Hitler são a oportunidade perfeita para Ada e o caçula Jamie deixarem Londres e partirem para o interior, em busca de uma vida melhor. Kimberly Brubaker Bradley consegue ir muito além do que se convencionou chamar “história de superação”. Seu livro é um registro emocional e historicamente preciso sobre a Segunda Guerra Mundial. E de como os grandes conflitos armados afetam a vida de milhões de inocentes, mesmo longe dos campos de batalha. No caso da pequena Ada, a guerra começou dentro de casa. Essa é uma das belas surpresas do livro: mostrar a guerra pelos olhos de uma menina, e não pelo ponto de vista de um soldado, que enfrenta a fome e a necessidade de abandonar seu lar. Assim como a protagonista, milhares de crianças precisaram deixar a família em Londres na esperança de escapar dos horrores dos bombardeios. Vencedor do Newbery Honor Award, primeiro lugar na lista do New York Times e adotado em diversas escolas nos Estados Unidos.
Olá Leitores!
A resenha de hoje foi elaborada pela nova colaboradora do Livroterapias - a Maria Oliveira!
Espero que vocês gostem.
Vamos conferir?

A Guerra que Salvou a Minha Vida que se passa na Segunda Guerra Mundial e é contada por Ada que vive com o irmão mais novo e a mãe que os maltratam, principalmente a Ada por ter nascido com o pé torto, cresceu sendo tratada como uma retardada e incapacitada de viver com outras pessoas, dentro de casa se locomove arrastando pelo chão além de ser obrigada a cuidar do irmão e da casa. O único contato com outras pessoas é pela janela da casa.

Até que um dia Jamie chega em casa com a noticia de que todas as crianças estão sendo evacuadas de trem porque a cidade irá ser atingida por bombas, a mãe não da a mínima, e avisa que Ada nunca sairá daquela casa e jamais alguém iria aceita-la. Mas Ada não se deixa intimidar e faz um enorme esforço para andar e pegar o trem junto com o irmão deixando para trás a vida de sofrimento. A viagem de trem não é nada fácil, lotado de crianças algumas chorando, outras vomitando e não possui banheiro, quando chegam ao destino são todos enfileirados e os moradores da cidade começam a escolherem qual criança preferem para cuidar por um tempo, eles escolhem as que estão em melhor estado, acabam deixando Ada e Jamie por ultimo porque havia dias que não tomavam banho, estavam desnutridos e o pé torto de Ada chamava atenção. Então eles foram levados para Srta. Smith uma mulher solteira e sem filhos a qual não queria aceita-los por não saber como cuidar de crianças, mas acaba ficando com eles.



A Srta. Smith que na verdade se chama Susan os trata com o maior carinho algo que eles nunca tinham recebido na vida, Jamie aceita de bom grado, mas sente saudades de casa e toda noite faz xixi na cama e a situação só piora quando ele começa a frequentar a escola, enquanto Ada sempre arredia quanto a Susan por achar que ela a qualquer momento vai mandar eles embora, ou irá bater nela, e decide que não irá a escola como companhia ela encontra o pônei Manteiga, que ela consegui montar mesmo com o pé torto. Susan durante toda a história transmite ser uma pessoa muito triste por causa da morte de Becky que foi uma grande amiga.

Histórias que são retratadas no momento da Segunda Guerra Mundial pra mim tem tudo para ser perfeita, e essa superou todas as minha expectativas, que no nosso momento mais difícil é possível sim encontrar uma salvação como a guerra que foi a destruição para a maioria, para Ada foi a libertação. Por cada personagem sente um carinho muito grande, mas Ada me fez chorar, dar risada se tornando com toda certeza minha melhor amiga durante a leitura. Uma livro que trouxe muitos assuntos como maus tratos com crianças, superação e amor ao próximo.

Super recomendo á leitura, será um dos favoritos de 2017 e tenho certeza que você irá se apaixonar por Ada.

Abraços e até mais.



Um comentário

  1. Não conhecia esse livro, mas achei a premissa linda demais, deve ser uma história emocionante! Além disso, sua resenha ficou incrível, muito bem escrita e direta, amei!

    http://www.leitorasvorazes.com.br/

    ResponderExcluir