Resenha : A Química, de Stephenie Meyer


A QUÍMICA
Autora: Stephenie Meyer
Editora: Intrínseca
Páginas: 496
Skoob
Sinopse: Ela trabalhava para o governo americano, mas poucas pessoas sabiam disso. Especialista em seu campo de atuação, era um dos segredos mais bem guardados de uma agência tão clandestina que nem sequer tinha nome. E quando perceberam que ela poderia ser um problema, passam a persegui-la. A única pessoa em quem ela confiava foi assassinada. Ela sabe demais, e eles a querem morta. Agora ela raramente fica em um mesmo lugar ou usa o mesmo nome por muito tempo. Até que um antigo mentor lhe oferece uma saída - uma oportunidade de deixar de ser o alvo da vez. Será preciso aceitar um último trabalho, e a única informação que ela recebe a esse respeito só torna sua situação ainda mais perigosa. Ela decide enfrentar a ameaça e se prepara para a pior batalha de sua vida, mas uma paixão inesperada parece diminuir ainda mais suas chances de sobreviver. Enquanto vê suas escolhas se evaporarem rapidamente, ela vai usar seus talentos como nunca imaginou. Uma trama repleta de tensão, na qual Meyer cria uma heroína poderosa e fascinante, com habilidades diferentes de todas as outras, e prova mais uma vez por que seus livros estão entre os mais vendidos do mundo.

Olá, Leitores! Adivinhem quem voltou a ativa para a alegria dessa jovem fã? Titia Stephenie! 
E com um livro que devo admitir, me causou muitas curiosidades.
Preparados para conhecerem uma personagem tão lacradora que vai fazer você viajar no mundo da espionagem?


Eu preciso confessar que, quando vi o lançamento do livro, quase fiquei histérica. 
Por quê? Porquê sou uma crepuscólica de carteirinha e fiquei muito apaixonada quando Stephenie lançou o novo livro. Fazia tanto tempo! E eu amo a forma como ela faz nos apegarmos aos personagens, independente das circunstâncias.

Também preciso confessar, com extrema sinceridade, que o começo do livrou não me agradou muito. O começo me pareceu muito técnico, e, é óbvio que a titia Steph pesquisou bastante e isso eu aplaudo de pé, pois os ricos detalhes me fizeram aprender um pouco mais, mesmo com toda a tecnicidade que há digna de um relatório policial. Depois me ocorreu que talvez tenha sido essa a estratégia da autora, e, caso tenha sido, isso foi genial.

Preciso relatar também que o começo é meio confuso, onde as mudanças de nome com frequência e da narração onde não se deixa avisado essa mudança de identidade pode confundir o leitor. Porém, as coisas clareiam com o decorrer das páginas.

A personagem é muito bem construída e de uma frieza implacável. Ela é dona de uma paranoia que pode ser irritante, mas que faz sentido devido as circunstâncias. O problema é quando essa paranoia parece ser esquecida justamente nas situações principais porque a personagem está apaixonada.

O único problema desse livro é o romance que surge nele. Preciso mostrar minha sinceridade que esse romance foi muito difícil de engolir devido as circunstâncias. É bizarra a forma como esse romance surge, parecendo não encaixado e do nada. Principalmente a forma como o mocinho da história passa a defendê-la numa mudança brusca que dura cerca de horas, onde, em horas, ele já está apaixonado, e, em dias, a amando. 

O problema é a forma como tudo isso surge, depois que ele passa por uma situação degradante e desumana nas mãos dela e ele ignora tudo isso, todas as reações e surge o romance. Principalmente quando ele se volta para outro personagem crucial na vida dele por causa dela. Fica mais difícil de engolir ainda quando “síndrome do Estocolmo” é descartada, pois o romance perde o sentido e passa a ser tranquilo, como um romance qualquer, como se ignorasse as circunstâncias ao qual todos estão, de uma perseguição implacável onde todos podem morrer.

Infelizmente é como se o romance não se encaixa nas devidas circunstâncias que aparece no livro. Se não fosse isso, seria maravilhoso.

Uma coisa que eu não consegui evitar de relacionar foi, no começo do livro, a questão do "monstro" que ela seria, que “o monstro dela estava livre agora”, algo do tipo, que fica impossível não comparar com Edward Cullen. Principalmente a dinâmica onde ela é perigosa e o mocinho é só um mocinho bom, sem nenhum defeito e ela precisa salvá-lo.


Foi um começo difícil de livro. Mas, foi quando minha vontade ressurgiu como uma fênix. Stephenie tem o dom de nos fazer apegarmos aos personagens, como já citei. Eu me vi presa na história, numa curiosidade louca onde eu precisava saber o que iria acontecer com meus personagens queridos.

Stephenie me deu vários sustos ao longo da história, me deixando com o coração na mão e recuperando a minha emoção de praticamente entrar nas páginas do livro e me perder no tempo e nas palavras para saber o que iria acontecer. Não vou dizer que foi de tirar o fôlego, ou que me surpreendeu com as descobertas, mas a curiosidade ficou plantada dentro do meu peito de uma forma que só saciou quando terminei de ler. Não disse muitos detalhes para não dar spoiler, pois alguns podem ser cruciais na sua vontade de ler. Pode perceber que não falei muito de cada personagem, sequer os citei. Foi exatamente por isso, falar sobre eles é spoiler.

Os personagens são tão incríveis que eu senti vontade de entrar no livro e ser amiga de todos, assim como dos cachorros que aparecem, pois eu senti vontade de adotar todos.

É um livro gostoso de ler, e, mesmo com as notas que disse sobre o romance, quando você menos perceber, estará torcendo pelo romance, por mais improvável que ele seja.

Obrigada por voltar a ativa, titia Steph, senti sua falta  <3

Espero que gostem da resenha leitores e, acreditem, vale muito a pena dar uma chance a esse livro. Vocês irão se divertir e sentirão a emoção a flor da pele.

Um cheiro,

Thyaly Diniz

Um comentário

  1. Parece ser muito bom esse livro!! Parabéns pela resenha <3

    ResponderExcluir