Resenha: A-LII

e-book

A-LII

Autora: Ana Macedo
Editora: Literata
Páginas: 464
Sinopse: Não deixem que nos calem. Em um mundo devastado pelas 3ª e 4ª guerras mundiais, A-LII, um clone criado em cativeiro, começa questionar sua existência, enquanto, Will, um garoto crescido nos subúrbios de uma Londres destruída, luta pela sobrevivência de sua família. O que ninguém espera é que, juntos, esses dois possam ser a chave de uma revolução contra a opressora Voz, mas, qual será o preço pago pela liberdade?


O que fazer, como viver, depois de ler A-LII? Não, não é exagero! Quem me conhece e acompanha o Livroterapias sabe que, tenho uma queda por distopias e fiquei imensamente ansiosa para conhecer A-LII e... UAU!


Em A-LII conhecemos Allie e Will, dois personagens que não se conhecem de início e sofrem pela Voz. Ambos tem o seu "devido lugar" na sociedade e ambos se questionam sobre o atual governo (a Voz). Enquanto Allie é um clone, Will é humano. Enquanto temos a narrativa ingênua porém marcante de Allie, temos a narrativa realista e racional de Will.

A-LII foi uma leitura intensa e sofrível. Por mais que a Ana tenha escrito A-LII de uma forma meio nas entrelinhas (principalmente nas cenas mais pesadas), é impossível não ser tocado pelos personagens. Como a narrativa é em primeira pessoa (e alternada), temos total acesso aos pensamentos de Allie e Will, nossos protagonistas.

Allie é uma clone, um ser abominável pelos humanos, um ser 'sem alma', e por isso ela não tem uma boa imagem de si, ela se sente como se fosse um pedaço de lixo perdido na sociedade. E muitas das vezes Allie é mais humana que os próprios humanos mas ela não consegue enxergar isso, só há o menosprezo. Os capítulos de Allie são os mais intensos, nossa clone é bem complicada mentalmente, ela vive numa luta diária para ver o seu real valor ou assumir que ela é realmente "um nada".

Já o Will, é o jovem que precisa cuidar de seus dois irmãos, mas convive diariamente com um problema familiar, o pai alcoólatra e a mãe prostituta, que são mais, uns desconhecidos do que os próprios pais. Portanto, seus irmãos são de maior importância para ele. Ele sempre busca estar trabalhando e ter algum dinheiro para melhorar vida deles.

Allie é ""salva"" de seu cativeiro pelo Dr. Alec Muniz. E ""graças"" a ele, ela tem uma nova casa e uma oportunidade de saber como é ser uma humana de verdade. Só que esse senhor não é confiável. Ela começa a participar de eventos com o Alec, e num desses eventos acaba conhecendo Tomáz, que se mostra um cara bom pra Allie, mas sua máscara vai caindo no decorrer da leitura, assim também, a de Muniz.

Com o Will, seu problema com o pai (principalmente) só se agrava, mas Will tem uma oportunidade de entrar no grupo dos rebeldes, onde os personagens Walt e Tony aparecem. Will vai aflorando seu lado revolucionário e criando um laço de respeito e até amizade com esses dois personagem. E em sua primeira missão contra a Voz, acaba conhecendo Allie.

Ambos os personagens estão vivendo num momento de rebelião contra a Voz, nosso Governo opressor da vez. E as questões politicas são desenvolvidas durante a narrativa, nunca muito explícito, deixando o tico e o teco do leitor trabalhar em cima desse tema. E também a ideia de liberdade, vai se soltando pela narrativa.

Há um certo caminho a ser traçado, para que nossos personagens se encontrem e lutem juntos. A-LII pode começar com uma certa lentidão, mas é aquela lentidão necessária, você precisa dela pra entender o personagem, quais são seus ideais e objetivos, que o levam a ter certas atitudes e pensamentos. Nada é em vão na trama.

Fiquei fascinada pela escrita da Ana Macedo! Ela conduziu muito bem os capítulos de Allie, por ser uma clone, há um diferencial nos seus capítulos, eles são sempre mais intensos e ingênuos, causando um reboliço no estômago do leitor. Acontece tanta coisa ruim com Allie, mas que ela não tem a malícia de ver que "tal coisa" foi uma tortura/abuso, que deixa o leitor aflito. Já na narrativa do Will é bem mais simples, mas isso não significa que não sofremos com o que acontece com ele também.

A finalização foi de me tirar o fôlego, foi aquele final "meio" aberto mas conclusivo, se passar daquilo estraga, sabe? E como disse pra autora, tive uma grande vontade de gritar -qq


Toda a construção da trama e dos personagens de A-LII foi muito bem organizada. Ele é o meu mais novo favorito desse ano, e espero que vocês tenham a oportunidade de ler (se gostar do gênero). Valeu muito a espera <3 Parabéns Ana Macedo pelo livro maravilhoso!

E o trabalho da Editora Literata na edição de A-LII ficou fantástica, mesmo que eu tenha lido em e-book, deu pra ver o trabalho lindo da Editora.

Convite

A-LII será lançado na Bienal do Livro SP no dia 31 de Agosto e a partir das 14h a autora Ana Macedo estará no estande da Editora Literata (C531).

Confirme presença no Evento

8 comentários

  1. EI Kovas!
    Ótima resenha xD
    Fiquei com mais vontade ainda de ler

    ResponderExcluir
  2. To louca para ler esse livro....

    ResponderExcluir
  3. oi ^~
    Eu não conhecia esse livro nem a autora! Mas já tenho certeza que vou gostar porque também sou louca por distopias e o que vc escreveu me deixou muita interessada! Gosto de conhecer os pensamentos dos personagens, por isso capítulos alternados e narrados pelos dois personagens principais deve ser ainda mais envolvente!
    Pena que eu não vou estar na bienal do livro ç.ç senão eu ia comprar o livro lá e já pegar meu autografo :3

    tem postagem nova no meu blog
    espero a sua visita
    bjs

    Hey Dudi!

    ResponderExcluir
  4. Ai, Nathy, eu também estou apaixonada por distopias,mas não sabia que A-LII era uma. E com esses dois pontos de vistas tão curiosos. Amo revolucionários kkk
    Letras & Versos

    ResponderExcluir
  5. Oi Nathy,
    não conhecia o livro, mas fiquei MUITO curiosa depois dessa sua resenha. Meu, é tão bom assim mesmo? E o melhor, nacional! Nossa, já quero!

    Beijos, http://porredelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Acabei de ler a entrevista e vim ler a resenha auhsauhsuhaahsu

    Gostei muito, principalmente pelos personagens serem complexos, envolvidos com uma temática mais adulta, torna a leitura mais interessante!

    Por ser distopia me atrai bastante, e parece super bem escrito pelo que li na resenha! Vou coloca-lo na lista de futuras leituras e tentar ir no evento do dia 31 na bienal!

    A resenha está otima!

    Beijoooo

    http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Que lindoooooooo

    eu preciso desse livro para ontemmmmm

    <3

    ResponderExcluir
  8. Eu to louca por esse.livro mas a literata não vende no site e em lugar nenhum . Vi com a autora e ta caro demais... se ao menos tivesse em ebook....

    ResponderExcluir