#PHpoemaday - Uma memória antiga

Leitura para maiores de 18 anos



O inferno de Camila começou quando era uma adolescente ingênua.
Chegou a tão esperada novidade no mundo, a novidade que mudaria tudo, revolucionaria tudo.
Era a vez de todos estarem conectados a uma internet (discada ou não).
Todos estavam felizes com esse grande passo da tecnologia e ansiavam para estarem logados, porém, estavam se esquecendo que tudo que é bom dura pouco e que essa moeda tem duas faces: o bom e o ruim.
Mas Camila só estava pensando em benefícios que teria agora, uma das primeiras de sua escola a ter internet em casa. Sua família era muito bem estruturada financeiramente mas pessoalmente, eles eram mais distantes que o polo sul e o polo norte - sim, a distância entre familiares existia antes da internet, não é um fenômeno de agora. Camila tinha poucos amigos pela extrema timidez de puxar assuntos com pessoas novas e viu a internet como uma aliada para criar novos laços sem o 'olhar nos olhos', conseguiria fazer o que quiser só com algumas tecladas e clicadas.
Vou fazer novos amigos
Camila pensou, e foi com esse mantra que ela começou a navegar em sites e mais sites. Passou pelos sites infantis de montar bonecas pelo computador, passou pelos sites de piadas - onde não entendia grande parte mas ria só de saber que estava vendo um vídeo de humor.
E finalmente chegou ao site de relacionamento, o primeiro sendo inaugurado. Esse site era dividido por salas de idade, somente. Ela entrou na sala dos 16 anos (um ano a mais de sua real idade) e ficou maravilhada em saber que existia tantos adolescentes faladores, além daqueles pacatos de sua escola.
Na primeira semana Camila ainda era na dela, lia mais o que os amigos virtuais escreviam.
Já na segunda semana ela começou a digitar mais, começou a conversar bastante, sempre tinha novidades para aqueles desconhecidos.
E chegou a terceira semana.
Camila não conhecia o espaço de conversa privada mas passou a conhecer graças ao Ricardo.
Um garoto da cidade dela, que tinha 17 anos, que gostava de andar de skate.
Conversaram pouca coisa no primeiro dia mas a conversa foi se desenvolvendo, até que dois meses depois de muita conversa e intimidade entre os dois, Ricardo decide chamar Camila para se conhecerem pessoalmente.
Convite foi aceito e os dois combinaram na semana seguinte o encontro, iriam se conhecer num lugar mais afastado da cidade, numa praça pouco conhecida. Mas Camila não se importou, estava gostando de conversar com Ricardo virtualmente, imagine pessoalmente, ela suspirava.
E finalmente, o grande dia tinha chegado.
Ricardo já estava lá mas, Camila não tinha visto.
Ricardo já aproximava mas, Camila estava ainda a sua procura.
Camila só sentiu uma mão tampando-lhe a boca e pedindo silêncio.
"Shhhhhhh garota, fique quieta"
Ela tentou com sua força se soltar, mas o homem era mais forte, seus braços finos não serviram de nada. Ela tentou morder mas não conseguia pegar nenhum pedaço de pele da mão do homem.
"Fique quieta menina! Você quer um murro na cara? Espero que não, então colabore sua idiota!"
Nisso, Camila fora empurrada para dentro de um carro preto que estava estacionado em uma das esquinas da praça vazia.
Ricardo pegou um pedaço de pano e enfiou na boca de Camila e passou uma fita adesiva em volta. Camila começou a chorar porque agora ela não teria mais suas cordas vocais para tentar gritar, o que restava era chorar e tentar fugir do estranho. Ele agora a empurrava para o estofado do carro, deitando-a e tirando sua calça.
"FIQUE QUIETA SUA PUTA"
Ele perdeu a paciência, não queria levar pernadas na cara por uma adolescente estúpida que acreditou em tudo que ele tinha dito.
"PARE DE CHORAR"
Ela não parou mas o som diminuiu.
Ricardo olhou maravilhado para a calcinha de ursinho que Camila estava usando.
Virgem, é sempre bom comer uma apertadinha 
Pensou o maníaco.
Camila entrou em pânico, gritos abafados apareceram com mais lágrimas em sua bochecha, seu nariz escorria muco e ela esperneava tentando sair do toque do maníaco.
"CALE A BOCA!"
Ele perdeu a paciência e pegou um pedaço de pau no chão do carro e deu na cabeça de Camila.
Agora desmaiada... Seria sua.
Novo sabor em sua boca enquanto ele a lambia.
Nova sensação quando ele entrava fundo em seu sexo liso e seco.
A felicidade do homem em pensar: essa se lembrará de mim, mesmo desmaiada.


#PHpoemaday
Texto de minha autoria para o Desafio de Escrita do blog Central da Leitura, não pode ser plagiado/copiado/divulgado sem minha autorização.

2 comentários

  1. Bah Nathalia,confesso que quando li que era um texto com conteúdo adulto fiquei curiosa. Mas na minha mente (safadinha aushuahs) em nenhum momento lembrei que isso pudesse também conter atos de violência. Lí mas gostaria de não ter lido. O que mais me deixou triste, é a sua escrita ser tão boa que eu senti o próprio desespero. O que mais me deixou em panico, é saber que quantos Ricardos estão espalhados por ai e quantas Camilas sofrem na mão desses monstros. Sim, monstros, não encontro palavras diferente para definir alguém que faça tamanha barbaridade. Sabes não é que seu texto foi ruim, ele retrata uma realidade dos dias atuais, que é mais comum do que eu gostaria de imaginar. Mas no blog me dou o direito e o privilégio de querer ver o bonito, a magia. e o teu texto acabou com isso do meu dia até aqui :'(
    Espero que nossos próximos encontros sejam menos perturbador!
    Bjs da LeLe Versos & Controvérsias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu deus Letícia D:
      Eu fico feliz por ter estragado o seu dia mas não quero repetir isso, espero que entenda... Escrevi o texto com essa finalidade, chocar... Mas não esperava que fosse TÃOOOO tenso.
      Quando terminei de escrevê-lo, por incrível que pareça, me senti extremamente bem, um peso ou um bloqueio saiu de mim, vi que extrapolei na minha escrita como nunca tinha feito... Mas claro, fiquei triste por ter escrito finalmente algo que me agradasse (falando como 'autora) um texto com um tema tão complicado de se lidar...
      É complicado pra mim, de longe é um dos melhores textos que escrevi e isso só melhora quando leio os comentários "puxa esse texto foi perturbador" etc etc, isso me deixa feliz HAHAHAHAHA
      Espero que você não me entenda errado D:
      Mas espero que quando você volte e veja outro texto mesmo, se sinta melhor, mas não vou prometer nada... Porque me dou bem com tragédias.

      Obrigada pela leitura e pelo comentário, é muito importante sua participação!

      Excluir