#PHpoemaday - Um Sorriso

Eu o odiava, ele me incomodava.
Brincava muito, nunca conseguia falar sério com ele.
Ele tinha a mão boba e eu revidava na violência, dava tapas.
A gente discutia sobre política e religião.
"Religião é o ópio do povo" ele dizia e eu respondia "E você com isso? Deixa o pessoal ter fé onde quiser."
"Você não entende, eu deixo... Mas você sabe, tem gente que aproveita da ingenuidade das pessoas e criam falsas esperanças" ele voltava um pouco atrás, mas mesmo assim nossa discussão se prolongava.
Ele tem um sotaque engraçado do sul e eu... eu não tenho, sou de São Paulo!
Ele me tirava do sério a cada frase que dizia, como era possível eu detestar tanto um cara?
Mas tudo isso sumia

~PUF~

Só de ver o dentes brancos, alinhados, na boca fina, com lábios bem desenhados e saborosos, com a moldura da sua barba.
Seu sorriso era a melhor coisa.

#PHpoemaday
Texto de minha autoria para o Desafio de Escrita do blog Central da Leitura, não pode ser plagiado/copiado/divulgado sem minha autorização.

3 comentários

  1. Oie!
    Esse é o primeiro poema que eu leio do projeto PHpoemday e gostei bastante das palavras que você utilizou... Fiquei imaginando em quem você pensou para escrever os versos ou se você só usou a imaginação. Adorei, principalmente a parte 'Ele tem sotaque engraçado do sul e eu... eu não tenho, sou de São Paulo!'

    Beijos
    Blog Procurei em Sonhos

    ResponderExcluir
  2. Ah, a cegueira da paixão... A gente até sabe que ele tem defeitos, mas decide relevá-los por causa desse sentimento safado. O lance é quando o fogo acaba, aí tudo de ruim começa a aparecer; se não tiver amor, o lance não vai pra frente.
    Beijinhos!
    Giulia - Prazer, me chamo Livro

    ResponderExcluir
  3. Esses poemas estão ótimos. Esse em especial me fez pensar nas paixões e em como a gente deixa muita coisa passar quando estamos apaixonados.

    Beijos.

    http://livrosleituraseafins.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir