#PHpoemaday - Narrador Incomum

Semana passada ela tinha chegado de carro em casa, um Fiat uno preto. Não era o dela.

Ela tinha demorado alguns minutos para sair do carro para abrir a garagem e estacionar o carro desconhecido. Mas ela não fez.

Ela só saiu do carro, fechou a porta com uma força (como se quisesse esmurar alguém, mas só tinha a porta pra ela passar sua raiva) e caminhou pisando bem duro até o portão.

Entrou, e o carro foi embora.

Hoje mais uma vez o Fiat uno preto está na frente de casa.

Ela sai do carro com pressa, uma voz (não sei se masculina ou feminina) a chama de volta para dentro. Ela volta.

Sinto que ela se move dentro do carro com uma tensão, querendo ir embora, parece que ela já desistiu, sinto os timbres da sua voz bem abafados por causa que todas as janelas do carro estão fechadas.

E outra vez ela sai.
Pisando duro outra vez.

A pessoa a chama novamente e ela responde gritando:
"Você não entende nada, não percebe nada!"

Ele... ou ela... Deve ser uma anta, uma besta quadrada!

Eu entendo essa menina, sei que ela deve querer que a pessoa compre um carro novo ou assume o relacionamento dos dois ou que ela quer que essa pessoa pare de falar sobre de política porque ela quer se divertir também com seus assuntos, etc etc etc, pode ser mil coisas.

Mas eu entendo.

E olha que sou só a calçada da frente da casa dela.


#PHpoemaday
Texto de minha autoria para o Desafio de Escrita do blog Central da Leitura, não pode ser plagiado/copiado/divulgado sem minha autorização.

Nenhum comentário