Resenha: O Teste

O Teste

Autora: Joelle Charbonneau
Editora: Única
Páginas: 320
Sinopse: No dia de formatura de Malencia ‘Cia’ Vale e dos jovens da Colônia Cinco Lagos, tudo o que ela consegue imaginar – e esperar – é ser escolhida para O Teste, um programa elaborado pela Comunidade das Nações Unificadas, que seleciona os melhores e mais brilhantes recém-formados para que se tornem líderes na demorada reconstrução do mundo pós-guerra. Ela sabe que é um caminho árduo, mas existe pouca informação a respeito dessa seleção. Então, ela é finalmente escolhida e seu pai, que também havia participado da seleção, se mostra preocupado. Desconfiada de seu futuro, ela corajosamente segue para longe dos amigos e da família, talvez para sempre. O perigo e o terror a aguardam. Será que uma jovem é capaz de enfrentar um governo que a escolheu para se defender?

O Teste no Orelha de Livro & Skoob

O Teste é o mais novo lançamento da Única Editora, é mais uma distopia com a proposta de ganhar fãs de Jogos Vorazes e Divergente.

Confesso que fiquei com muita expectativa no livro mas no fim ele não foi tudo isso.

O Teste conhecemos Malencia, ou Cia (mas sempre vou ler "Melancia"), uma adolescente que vive na Colônia Cinco Lagos com sua família. E agora é uma das estudantes que fora chamada para O Teste, deve deixar sua família e uma amiga - Daileen - para tentar mostrar ao governo que ela poderá ser uma boa líder para sua comunidade e nisso ir para a faculdade.

A ideia do Teste é basicamente, tirar os mais fracos dessa seleção de melhores alunos. É como se fosse um ENEM na primeira fase e depois um "jogos vorazes" (mas sem a fome) para que vença o melhor. Mas o Teste não é feito individualmente, há partes que é necessário o trabalho em grupo e é nele que vejo a suposta esperteza de Cia. O Teste se mostra como algo realmente dolorido a todos os participantes porque faz com que alguns personagens ajam de forma não ética ou moral, e até em alguns a pressão é tanta que causa o suicídio.

Joelle não nos deixa "boiando" sobre como a sociedade de agora foi desenvolvida, de como foi feita a divisão de colônias e de grupos de indivíduos fazendo a sua parte nessa sociedade. E por mais que o livro seja em cima do Teste, ele é o grande mistério do enredo além do mistério de quem é confiável ou não.

O Teste seria incrível se existisse a profundidade dos personagem e acho que foi ai que a autora pecou.

A personagem Cia, não consegui gostar da peça porque ela me parecia muito robótica, tudo bem que ela vive numa sociedade bem diferente da nossa, mas cadê o toque de "adolescente" da personagem? Ela era muito séria e quando ria (por causa do Tomas) era algo mais uma vez robotizado.

Tomas, o bendito mocinho da mesma colônia de Cia e amigo de infância dela, que me pegou de surpresa no final do livro, ele até consegue ser mais adolescente que a Cia, mas mesmo assim é outro personagem robotizado e sem profundidade.

O interessante (ou o chato) do livro é que até a parte que a Cia descobre que Tomas está com ela no Teste eu não sabia de sua existência e de sua importância na vida da Cia, ela nunca cita o Tomas como algum amigo importante da sua colônia e depois com uma grande facilidade, eles desenvolvem uma amizade e rolinho num ambiente que deveria ser de desconfiança.

E eu estava rezando para que não tivesse o romance entre o Tomas e a Cia, porque eu sabia que isso rolasse (e rola) eu não conseguiria engolir o romance. Quando Tomas e Cia se vê gostando um do outro (a Cia nem tanto, ela ainda tem uma certa dúvida), de verdade, não precisava declaração de "eu estou apaixonado por você" não tinha espaço pra deixar essa declaração romântica, verdadeira e natural, soou como algo que precisasse ser dito senão o livro não estaria completo (para a autora, porque pra mim não tendo esse mimimi eu não me importaria e ficaria mais feliz com o livro).

Outra coisa que me incomodou no livro foram as mortes, pode ser que meu coração esteja um pouco frio nesse sentido, porque eu realmente não me importei com nenhuma morte no decorrer do livro e são mortes de variadas formas e não deveriam ter sido para mim leitora, como: "poxa, morreu", deveria ter me abalado da mesma forma que abalou Cia da forma que ela descreve.

E a falta de falas, o último livro que senti falta de falas foi Love Story da Jennifer Echols e por causa da falta de diálogo entre os personagens, também acabei não me simpatizando com nenhum personagem. Isso infelizmente acontece em O teste. Mesmo Cia seja a narradora do livro, ela não me ganha como leitora por sua falta de humanidade/naturalidade/normalidade com a narrativa e excesso de drama não necessário.

Em suma O Teste não foi uma boa leitura pra mim mas como realmente vi grandes influências de THG e Divergente nesse primeiro livro da trilogia, realmente faço vale essa indicação aos fãs dessas distopias.

Já o trabalho da editora foi caprichado, por mais que a capa do livro não seja igual a original, eu devo dizer que ficou bem melhor a capa daqui do que a dos EUA, achei mais a "cara" certa de O Teste. A diagramação do livro está da forma que eu gosto, é confortável. E seguiu o mesmo esquema do livro Veneno com o marca página incluso na orelha do livro :3

Livro cedido em cortesia com a Editora


10 comentários

  1. ooooooooooi 9vinhaKovas :3
    Apesar de curtir distopias, não tive aquele vontade looooooooooooouca pra ler O Teste, acredita? Talvez eu já esteja enjoando dos temas repetidos (sinceramente, tudo me lembra Jogos Vorazes ou Divergente - q ainda não li - ou, se não, a mistura dos dois. E como tu já falou que realmente tem influência...).
    Mesmo assim, talvez eu leia O Teste (principalmente se alguém ~ALGUÉM, né, kovinhas~ me der).
    ÓTEEEEEEEEEMA resenha!
    Bjs da Estana
    http://mundodanoite.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Sambandoterapias? Só digo isso

    ResponderExcluir
  3. Destilando veneno em Noviskovisc
    Diálogos mecânicos demais atrapalham e MUITO o desenrolar de uma história. =/
    Eu estava até curioso com a leitura, agora... nem sei mais \o/
    Aguardando visitas =P
    Beijo do gordo \o/

    ResponderExcluir
  4. essa resenha
    é destruidora
    mesmo
    hein

    ResponderExcluir
  5. Poxa que pena que não foi uma boa leitura para você, mas gostei da resenha assim conheci mais desse livro ;)
    Bjs
    http://eternamente-princesa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. pena q não foi bom pra vc, minha amiga leu esses tempos e disse que gostou muito.
    eu gosto de distopias, mas sou dessas q ainda está escolhendo algumas para ler. essa e não sei se leria, quem sabe eu de uma conferida.

    Seguindo o Coelho Branco

    ResponderExcluir
  7. Lendo sua resenha foi me dando aquela vontade de ler e saber mais sobre tudo o que ia acontecer aos personagens. Mas não sei bem o porque esse livro não me fisgou ainda. Talvez eu não esteja numa fase boa para o gênero. Não descarto a possibilidade, afinal amo distopias.
    Excelente resenha, muito sincera e bem escrita, parabéns!
    Beijos
    Vivi
    Razão e Resenhas

    ResponderExcluir
  8. Oi, Nathália!
    Eu não senti curiosidade de ler esse livro, as distopias não me encantam muito foram poucas as que conseguiram me agradar então acho que esse livro não me agradaria. Eu sofro com livros que têm poucos diálogos porque a leitura fica muito arrastada e cansativa. Parabéns pela resenha! :)

    Beijos,

    Rafa {Fascinada por Histórias}

    ResponderExcluir
  9. Anônimo00:10

    I absolutely love your blog and find many of your post's to be exactly what I'm
    looking for. Does one offer guest writers to write content for yourself?
    I wouldn't mind publishing a post or elaborating on a lot of
    the subjects you write related to here. Again, awesome web site!


    Also visit my weblog: boom beach cheat

    ResponderExcluir
  10. Gentee acabei de compra o box desse livro, nunca li Maze Runner ou Jogos Vorazes mas esse confesso estou supperr ansiosa pra ler, pena que não foi boa pra vc. Bjinhos.

    http://yuugracindo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir