Resenha: Ela Prefere as Uvas Verdes

Ela Prefere as Uvas Verdes

Autor: Jader Pires
Editora: Empíreo
Páginas: 160
Sinopse: Para conquistar os leitores, os autores de contos precisam dominar a ciência da estrutura e do estilo, de modo a não inserir em sua narrativa detalhes que não sejam essenciais. É com essa precisão que Jader Pires tem conquistado fãs pela internet e agora publica seus contos no livro Ela prefere as uvas verdes. As treze histórias presentes no livro estão repletas do cotidiano, por onde desfilam personagens das mais variadas origens: um vendedor de crack, um político, um casal de idosos e um mágico de circo. As angústias e alegrias experimentadas por todos esses personagens – e que também são nossas – são expressas em situações fortes e incisivas, mas por vezes bem-humoradas, que aproximam o leitor da trama, sem deixar de fora nenhum detalhe. Em Ela prefere as uvas verdes, entramos em contato com personagens em momentos surpreendentes de suas vidas. Momentos em que as perdas e os encontros trazem profundas transformações.

Ela Prefere as Uvas Verdes no Orelha do Livro & Skoob

Exemplar de cortesia da Editora

Hoje é um dia importante a todos os leitores, dia 23 de Abril é o lindo dia Internacional do Livro! E pra comemorar esse dia, nada mais justo que ter a resenha do mais novo lançamento da Editora Empíreo - que terá o evento de lançamento hoje na Livraria Cultura do Shopping Bourbon.

Fico mais uma vez feliz com o trabalho da Empíreo junto com o autor Jader Pires. Não só o capricho da Editora em fazer um belo e confortável livro mas também pela obra do Jader Pires em analisar o ser humano - em situações de perdas e encontros - em seus contos.

Em Ela Prefere as Uvas Verdes teremos diferentes contos no decorrer do livro, com as mais variáveis histórias sobre perdas e encontros que o indivíduo pode enfrentar em sua vida.


O primeiro conto do livro tem o título "Filho do Carnaval". Conta a história de uma criança que nasceu fora da bolsa da mãe, ou seja, puro milagre divino essa criança ter nascido bem - fisicamente e mental. Então essa criança cresceu sendo sempre o assunto de "sou pai/mãe de um milagre". E agora já na adolescência, ele sofre um acidente e morre. Enquanto o médico da maternidade falou que o garoto era o milagre em pessoa, o médico que o atendeu nesse acidente diz: "Nem um milagre conseguiria salvar o seu filho, senhor". Olha só a contradição em um conto só, a forma do "deboche" do milagre. Isso só foi uma palinha do que vocês vão encontrar nesse livro.



Cada conto no livro tem um molde para atingir o leitor, seja de forma mais curta e direta; seja da forma mais reflexiva para que o final seja mais chocante; de forma mais dura ou mais humorística. Mas em todos os casos, os contos nos mostra as devidas perdas e encontros que o homem tem durante a vida, seja ela da área amorosa, familiar, financeira, etc. Tudo foi escrito e pensado em ser o mais real possível para impactar ainda mais o leitor.

"Ninguém queria ver o final feliz dos outros enquanto o seu estivesse tão distante."

Página 55

Durante a leitura percebi também que o autor fazia algo de propósito, ele direcionava a narrativa sobre alguma coisa do nosso personagem do conto - para o leitor imaginar que a conclusão do conto seja sobre essa direção - mas na verdade não era o verdadeiro caminho ou o verdadeiro ponto que o leitor deveria se preocupar ou ficar atento. Não sei se o autor fez isso com um propósito - e se por acaso viu que fez isso - mas certos contos eu estava preocupada em descobrir "tal coisa" que na verdade não era nada importante para a finalização do mesmo. Se isso foi sem querer ou não, achei isso muito sensacional!

E desafio a qualquer futuro leitor de Ela Prefere as Uvas Verdes de me dizer com todas as letras que não se achou em nenhum conto de todo o livro. O bom do livro é a pluralidade de fatos, são tantos contos com as mais diversas histórias mas que sempre tem algo que te chama atenção porque VOCÊ pensa assim, já falou algo parecido ou já fez.

"(...) o que mais odiava era a inerente condição humana de sofrer por antecipação, de como os seres humanos premeditam toda e qualquer situação para tentar obter a melhor resposta, a melhor ação para todos os momentos."

Página 84

Sobre o Autor

Jader Pires é jornalista. Largou a publicidade, a experiência de sete anos em um banco e foi escrever. Nunca precisou usar óculos, começou a ler livros depois dos vinte e teve de correr atrás do tempo perdido. Já escreveu na Revista da Cultura e hoje edita e escreve no site PapodeHomem.com.br



4 comentários

  1. Oii
    Nossa, esse conto do milagre parece ser bem interessante, ein? Faz tempo que não leio livro de contos e fiquei com vontade de ler.

    Beijos,
    http://pitadadecultura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Não sei se tem a ver, mas pelo título achei bem próximo a Lygia Fagundes Telles. Viajei,rs? Fiquei realmente interessada nesse livro, espero que seja sucesso.
    Bjos

    ResponderExcluir
  3. Confesso que nunca fui fã de contos, mas aos poucos estou me rendendo aos encantos deles. Gosto de ler entre as leituras das narrativas e crônicas. Não conhecia esse livro, obrigada pela dica. Mas confesso que achei a capa terrível.
    Mas parabém pela leitura e resenha!!!!

    Leituras, vida e paixões!!!!

    ResponderExcluir
  4. Fiquei fã. Do texto, do ritmo, do conteúdo. Em épocas de perdas, encontramos.

    ResponderExcluir